Os Croods: viver é arriscar-se

Os Croods: viver é arriscar-se

Saindo da caverna: viver é arriscar-se

Direto do tempo das cavernas para a modernidade, a animação “Os Croods” além de proporcionar um bom momento de descontração, também nos permite refletir sobre como lidamos com as mudanças que acontecem em nossas vidas. Os Croods viveram no tempo das cavernas, inclusive, evitavam ao máximo sair de dentro da caverna que moravam temendo o desconhecido o mundo a fora.  Com o bordão “tudo o que é novo é ruim”, o pai e chefe do clã, Grug, faz de tudo para manter sua família em segurança. Porém, isso não agrada a todos da família. principalmente sua filha mais nova, EEp.

O enredo possui vários momentos de transição muito significativos no que diz respeito à reflexão. O primeiro delas é quando a caverna em que moram é destruída e a família se vê desprotegida, sem saber para onde seguir. Quantas vezes em nossas vidas não passamos por situações semelhantes? Há muitos acontecimentos inesperados que nos despem de tudo o que nos traz segurança. Momentos como esses exigem de nós coragem para o enfrentamento da realidade. E foi isso o que os Croods fizeram, o que nos leva ao segundo momento de transição.

Diante da necessidade de encontrar um novo abrigo, os Croods são obrigados a enfrentar o que sempre evitaram: o novo. Assim, saem em meio ao desconhecido, desbravando e descobrindo coisas que nem imaginavam existir. Essa experiência proporciona a eles uma série de prazeres e alegrias. Se entregar a algo que nunca imaginamos não é fácil, porém, pode nos agregar muitas experiências e contribuir para a nosso desenvolvimento pessoal, para o nosso autoconhecimento. Você se lembra da última vez que fez algo pela primeira vez?

Outra reflexão interessante contemplada pelo filme é quando um dos personagens se refere ao sol visto do alto da montanha. Para alcançar a luz na beira do penhasco, é preciso se jogar, mas para sobreviver, é preciso voar. Tememos tudo o que tira a nossa firmeza. Manter os pés no chão é importante, mas libertar-se de preconceitos e de visões limitadas, é emancipador, nos engrandece, nos transforma. Respeite os seus limites, mas reconheça a importância de, eventualmente, deixar seu pensamento e sua alma livres para voar.

Exílio, desbravamento, autoconhecimento, e por fim, a redenção. Aceitar o novo foi essencial para que os Croods completassem a sua missão. Isso nos leva a concluir que nem tudo o que é novo é ruim, e que vale a tentativa. Na pior das hipóteses, terás um novo aprendizado para a sua vida. Saia de sua caverna, e explore a nova vida que te aguarda mundo afora. Seja grato com o que a vida te oferece, e assim, plante o que deseja colher.

No Comments

Post A Comment